16 de fevereiro de 2015

RESENHA | Angelologia - O Conhecimento dos Anjos, Danielle Trussoni




Editora Suma de Letras, 455 páginas.

   Danielle Trussoni, segundo consta na orelha do livro, quer ser escritora desde que tinha 6 anos. *e eu aos seis anos queria ser domadora de dinossauros* Entretanto seu livro de estreia não é a melhor representação dessa vontade.

   Angelologia , segundo a autora, deveria trazer uma perspectiva atípica dos anjos, mostrando sua face obscura, de modo a criar uma atmosfera aterrorizante. Porém se tem algo que o livro não consegue ser, é aterrorizante. Eu diria que entediante é a melhor palavra para descrever o enredo.
 

  A minha leitura foi motivada pela esperança de que a certa altura o livro adquirisse um tom frenético e instigante. E isso não aconteceu, cheguei ao final e minhas esperanças foram frustradas.

   É bem verdade que Danielle precisou de uma organização e tanto para não se perder em meio a tantos personagens e as reviravoltas vividas por eles, contudo faltou tato para a autora no momento de construir a narrativa, que é cansativa, não flui e se arrasta página por página.

   O livro é dividido em 4 partes, e a história de desenrola em diversos lugares, passando pelos Montes Ródopes, na Bulgária, o Convento de Santa Rosa, em NY, no metrô de NY, e até mesmo em meio ao Central Park. Nesse quesito cabe destacar que a autora foi bastante criativa em articular diversos locais como cenário da história, o que de certa forma proporcionou certa “mobilidade” ao enredo, já que a narrativa peca nesse aspecto.

   Ainda assim, para mim, o maior problema foram os personagens, sempre tão envoltos em mistério que cheguei ao final da história sem conhecê-los ou construir algum tipo de identificação, exceto no que tange a construção de Evangeline e a angelóloga Gabriella Lévi-Franche, sua avó.

   A irmã Evangeline, nossa protagonista inicialmente desconhecedora da sociedade Angelológica, se torna peça chave na luta contra a ascensão dos nefilins, e no desenrolar da história e de suas descobertas, ganha a ajuda da sua recém-descoberta avó-angelóloga, Gabriella. Duas personagens fortes que basicamente sustentam a história, apagando o brilho que qualquer outro personagem poderia vir a ter, o que é uma pena considerando que esperava que o detetive Verlaine tivesse um peso maior no decorrer do livro.

   Ao término da leitura cheguei à conclusão de que Danielle quis utilizar o recurso “enrolar por ¾ do livro com milhares de informações e revelar o ápice na parte que sobra”, entretanto para esta que vos fala isso não foi suficiente para salvar a leitura.

   O enredo de Angelologia tinha tudo para ser um sucesso completo e para ser uma leitura bombástica, entretanto posso destacar que para mim seu maior pecado foi conceber uma história tão milimetricamente pensada que perdeu a naturalidade que poderia fazer toda a diferença em fazer meu coração-leitor se apaixonar.


Beijocas para vocês ;*

2 comentários:

  1. Já li outras resenha com a mesmo opinião sua, e isso me faz afastar cade vez mas do livro :(
    Beijos
    Brubs
    http://contodeumlivro.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Olá,
    Antes eu tinha muita vontade de ler esse livro, mas por comentários negativos como o seu eu acabei desanimando com a leitura. Hoje em dia não tenho mais um pingo de vontade de ler a obra.
    Beijos.
    Memorias de Leitura - memorias-de-leitura.blogspot.com

    ResponderExcluir

Sua opinião alimenta minha criatividade, então você pode contribuir para um blog melhor simplesmente comentando :D Para dúvidas, sugestões ou bater um papo, mande e-mail para agarotadalivraria@gmail.com