13 de dezembro de 2013

RESENHA | Percy Jackson - O Ladrão de Raios, Rick Riordan


383 páginas, Skoob.

  Ok, acredito que grande parte de vocês leitores já deve ter ouvido falar da série Percy Jackson & Os Olimpianos, que é composta por 5 livros, todos já publicados no Brasil.

  Não sei se sou a única com a síndrome do “só vou ler depois que o frenesi da série passar”, que me ataca quando me deparo com livros muito comentados e elevados a patamares de “você PRE-CI-SA ler”. Tive isso com Harry Potter, House of Night e Eragon. 

  Ou então tenho a síndrome do “quando estiver em promoção em compro”, que foi o que mais pesou no caso específico de Percy Jackson.

  E agora, gente, posso ser sincera? Não sei como fazer essa resenha de forma que aqueles que amam a série não coloquem meu nome no macumbaonline.com

  Porque a verdade é que achei o livro fraco, o protagonista enjoado e as relações tecidas entre os personagens vagas e superficiais. 

  Não há emoção aqui, em nenhum momento o livro me cativou a ponto de eu esquecer que era ficção. O livro faz um esforço enorme para tentar te conquistar, mas não consegue. Até mesmo os momentos onde o personagem demonstra medo, parecem falsos.

 “Mas é o primeiro livro” alguns podem dizer. 

  Ou então: "É a série que veio para preencher a lacuna de Harry Potter." Aí entra a minha indignação maior: QUEM EM SÃ CONSCIÊNCIA compara a série PJ com Harry Potter? 

Como eu me sinto quando comparam PJ com HP
  A comparação, ou a tentativa de colocar a série no mesmo patamar de Harry Potter, é descabida. 
  
  Ao meu ver, HP passa emoção e veracidade em níveis profundos, desde o primeiro livro você acredita em cada palavrinha, cada sentimento, cada vírgula te cativa. Coisa que Percy Jackson tenta ao longo de 383 páginas, e não consegue. 

  O enredo gira em torno de Percy Jackson, uma criança considerada problemática, pois não consegue passar mais de um ano na mesma escola por estar sempre se metendo em confusões. Contudo é durante uma excursão com a turma do colégio que os acontecimentos esquisitos alcançam um outro nível, e Percy vê sua detestável professora de matemática se transformar em um monstrengo com asas e garras que deixa bem claro que está tentando matá-lo.  

  E a coisa não para por aí: quando consegue se livrar dela e voltar para junto dos colegas todos simplesmente fazem de conta que nunca tiveram nenhuma professora chamada Sra. Dodds. Seu melhor amigo, Grover, demonstra preocupação com ele por estar alucinando com professoras que nunca existiram. 

  Durante algum tempo Percy fica remoendo o que aconteceu e acaba escutando uma conversa entre seu professor de Latim e o melhor amigo, uma conversa estranha que o deixa ainda mais intrigado. Porém ele acha que as coisas podem melhorar agora que ele e sua mãe estão a caminho da praia, podendo ficar alguns dias longe de seu detestável padrasto. E talvez ele consiga colocar a cabeça em ordem. 

  Mas isso fica apenas no ramo da ilusão. 

  Nessa viagem a vida do garoto muda para sempre, é então que ele fica sabendo que a mitologia que ele estudou durante o último ano é real, tanto as partes legais quanto as sinistras. E agora ele tem um prazo para recuperar uma arma importante, roubada nada mais nada menos do Olimpo. 

  Uma arma que pertence a ninguém mais ninguém menos do que a Zeus. E uma guerra está prestes a estourar, principalmente por que o acusado por esse roubo é o próprio Percy. 

  No Acampamento Meio-Sangue ele descobre que é um semideus, filho de um dos deuses do Olimpo com uma mortal. E o acampamento está cheio de crianças como ele, que dividem seus dias entre treinamentos e outras atividades. 

  Contando com a ajuda de Annabeth, outra campista, e Grover, que ele descobre ser o seu guardião, ele precisa vencer monstros, escapar de perigos e encontrar a arma de Zeus e levá-la de volta ao Olimpo, antes que o tempo se esgote e a guerra comece.

  Pois bem, o máximo que pode ser dito sem ser considerado spoiler é isso. 

  Se você já assistiu ao filme, e assim como eu foi ler o livro empolgada, imaginando que o livro fosse ser eletrizante e legal, mais do que o filme, o que eu tenho a dizer é: ilusão. O filme é bem mais emocionante, mesmo não sendo fiel ao livro. O roteiro é bem pensado, as cenas de luta e as cenas de Percy em seu habitat favorito são bem mais convincentes do que as descritas no livro.

    Se eu fosse resumir minha opinião a respeito do livro seria: favor trocar de escritor. 

  Acredito que o enredo realmente tinha um potencial (tanto que estou fazendo uma segunda tentativa e estou lendo “o mar de monstros”, segundo livro da série, para ver se as minhas impressões mudam), porém a escrita de Rick teve um efeito sobre mim igualmente causado pela escrita da Suzanne Collins, a de me afastar do enredo ao invés de me aproximar. 

  E a verdade é que o Percy do livro é um chato. Até o fato de Grover mascar latas de alumínio soa mais emocionante do que os momentos onde Percy tenta expressar o quanto sua mãe é importante para ele. Ele soa falso, parece que ele está sempre se esforçando para ser um bom protagonista, mas não me conquistou. 

  E não existe nenhum ponto positivo no livro? Hum, os capítulos tem títulos. (Eu simplesmente acho que todos os capítulos de qualquer livro deveriam vir nomeados, sério escritores, isso traz um charme para os livros, façam isso com mais frequência, por favor.)  

  E tem também as divindades da mitologia grega, apesar de não termos contato com todos, fiquei bastante interessada em saber mais a respeito de Hades, Poseidon, Zeus e afins, e até lembrei que quando era mais nova não perdia um dia do desenho Hércules e achava o máximo aquele cabelo azul flamejante do Hades.  

  Outra coisa que me agradou foram as lições de respeito à natureza que estão inseridas no enredo, por meio de comentários vindos de Grover, algo que ficou bastante natural e acredito que sirvam para influenciar positivamente o público alvo da série, categorizada como infanto-juvenil.

  A respeito do trabalho gráfico da editora não há do que reclamar uma vez que a revisão está impecável, capa bonita (realmente gosto dessas capas e das lombadas e da fonte.) e folhas amareladas (e cheirosas *-*).


  Quem sabe se eu fosse mais novinha, e regulasse de idade com o Percy, talvez a série me encantasse como encantou a muitos. Contudo realmente não rolou amorzinho da minha parte para com o Percy e sua trajetória. 

  Pode ser que isso mude ao longo dos outros livros, mas hoje o que tenho a dizer é que O Ladrão de Raios não me deu o embasamento que eu esperava para entender por que Rick Riordan é considerado um dos mais badalados escritores da atualidade. Sigo discordando disso.

O que vocês pensam a respeito?



Um comentário:

  1. UAU, você disse tudo e um pouco mais!
    Sério, acho que essa é a primeira resenha negativa a respeito desse livro que eu vejo! E vou te falar a verdade: minha vontade de ler diminuiu CONSIDERAVELMENTE. Sim, eu ainda não li porque sou igual a você: "quando tiver em promoção eu compro".
    Enfim... Vou diminuir minha euforia.

    Um beijo,
    Luara - Estante Vertical

    ResponderExcluir

Sua opinião alimenta minha criatividade, então você pode contribuir para um blog melhor simplesmente comentando :D Para dúvidas, sugestões ou bater um papo, mande e-mail para agarotadalivraria@gmail.com