21 de junho de 2012

BookTour | Terra Ardente - Janice Diniz


286 páginas, Editora Multifoco



Karen Lisboa não é uma boa garota aos olhos da sociedade Mataranense. Ela tem dívidas com os dois homens mais perigosos poderosos da cidade; Sua vida afetiva, que segue a regra dos três encontros e nunca mais, não é algo que ela costume tratar com discrição. Com a vida em risco e sozinha num lugar hostil, ela tenta sobreviver e cuidar da avó e do filho. Se for preciso, usará seus dons para seduzir quem possa lhe oferecer proteção. Mas Karen não é a única mulher em apuros.


A jornalista Nova Monteiro investiga um latifundiário suspeito de aliciar trabalhadores. Abandonou o sudeste para ficar ao lado do homem que ama desde a infância. Um amor que tem tudo para não se concretizar. O que Nova não sabe, porém, é que, segundo boatos, a chuva de cinzas na estação do estio não é somente das queimadas, mas também dos corpos dos forasteiros que se metem com os poderosos da região. Assim, ela faz duas descobertas: que luta pela causa errada e que o amor verdadeiro é um sentimento bruto que pode nascer do medo.


   Matarana, a cidade das aparências, onde nem sempre o mocinho é bom e o vilão, mau. Um romance country contemporâneo com mulheres fortes, homens destemidos, pistoleiros, matadores de aluguel e paixões devastadoras.
A humanidade posta à prova em situações-limite.

   Nunca busquei ter um estilo literário, de ler apenas esse ou aquele gênero de livro. Confesso que alguns enredos não me atraem. Por exemplo faroestes, bag-bang’s, caubóis e toda essa coisa meio EUA nunca fez minha cabeça. Eis que um belo dia li a resenha de um livro nacional super bem indicado pela blogueira Mi, do Inteiramente Diva que me fez querer dar uma chance aos caubóis.

   Um tempo depois surgiu a oportunidade de participar do BookTour do livro “Terra Ardente – Amor e Ódio onde nem os fortes têm vez.” E aqui estou para contar para vocês a primeira coisa mais importante que descobri: o livro não é um faroeste fajuto que imita a cultura do Texas apenas abrasileirando os personagens.

   Janice Diniz construiu o que há muito está em falta no mercado literário: um romance tipicamente brasileiro, ambientado em uma cidade pequena localizada no cerrado, com homens rústicos e mulheres que aprendem desde cedo a ser fortes. Porque afinal Matarana nunca foi o lar de ninguém.

   Uma terra colonizada por influência do governo e onde a lei costuma encontrar dificuldades para se sobrepor aos bandidos disfarçados de ricos latifundiários. As desconfianças que eu tinha eram a respeito da forma que a autora usaria para ambientar esse enredo, bem como a respeito de sua forma de escrita.

   Já no prólogo acabaram-se as desconfianças. Janice utiliza uma linguagem que oscila entre o coloquial e o rústico. Apesar de tudo se passar em uma cidade relativamente pequena ela teve o cuidado de não inserir em seus personagens características forçadas que os deixassem inverossímeis.

   O delegado Rodrigo Malverde é o “viúvo convicto” cobiçado pelas mulheres da cidade, que ama a lei acima de tudo. Graças ao seu bom caráter, possivelmente ele não esteja em segurança. 


  Como é mesmo que dizem, que alguns amigos são lobos vestidos em pele de cordeiro? Eu definiria assim Thales Dolejal, o 2º homem mais poderoso da cidade. Ele tem ao seu dispor homens que fariam qualquer coisa para obter o reconhecimento do patrão.

  Qual será a sensação de ter alguém capaz de tomar um tiro por você? Talvez Franco, ou melhor, o nosso diabo loiro, possa te dar essa resposta. Do alto da sua masculinidade ele tem um passado que o atormenta. Mas o chefe da segurança de Dolejal quer mais do que reconhecimento. Aparentando ser um homem destemido, talvez sua vida esteja a perigo já que ousou meter-se com a amante do patrão.

   E por falar em amante, logo conhecemos Karen, uma mulher que aprendeu a ser forte e controlar suas emoções. Pois se não fosse assim de que forma administraria sua propriedade, suas dívidas, um filho adolescente e uma avó para lá de desligada? Apesar da má fama e dos poucos amigos seu coração almeja o melhor para aqueles que ama. Custe o que custar.

   Por outro lado Nova Monteiro, não tem nem de perto a mesma fama de Karen. Uma mulher de constituição física pequena, mas cheia de amor por Cristiano Bittencourt, o charmoso pediatra e seu melhor amigo. Uma pena é que ele não esteja disposto a romper as amarras de medo que o prendem. E é como todos sabemos: muitas vezes criamos uma ilusão e de tanto depositarmos nossas esperanças nisso, acabamos acreditando que a vida só terá sentido se aquele sonho tornar-se real.

Porém, o que é a vida senão um conjunto de fatos surpreendentes?

   E é nesse clima de romance, perseguições, revelações e perigos que nossos protagonistas serão envolvidos, e no final será impossível tirar do rosto do leitor aquele sorriso de canto e aquela sensação de que na vida aquilo que nos faz feliz, sempre vale a pena lutar.
Um romance sensual sem ser vulgar, uma narrativa em 3ª pessoa que agrada, transmite o íntimo de cada personagem sem tornar-se dramática em excesso nem detalhista demais.

   Terra Ardente quer mostrar que ser fraco e ser forte em nada tem a ver com força física, mas sim com caráter. Forte é quem tem coragem de assumir suas próprias fraquezas, é aquele que jamais desiste dessa tal felicidade. Mesmo que demore, mesmo que hajam inúmeros obstáculos. Forte é quem se joga de cabeça em águas turvas, que deixa o passado e vem sonhar com o futuro e viver o presente da melhor forma possível.

   Lutar por aqueles que você ama, ainda que isso lhe custe a vida: esses são os fortes. Esses são os sobreviventes de Matarana. 

  
  Ainda sonho ver esse livro publicado por uma editora conhecida, que dê visibilidade ao trabalho da Janice e contribua para que os brasileiros saibam cada vez mais que grandes histórias também tem berço no nosso país.


3 comentários:

  1. Oi, Paola,

    Você descreveu a história e os personagens de forma adorável, encantadora, e, antes de comentar, eu já havia lido três vezes o seu texto. Guardarei no coração as suas palavras.

    Obrigada por ter lido meu livro, ter se inscrito no BT e pela resenha maravilhosa!

    Em tempo, percebi agora que talvez haja um parentesco entre você o doutor Cristiano Bittencourt rsrs

    Beijão!

    ResponderExcluir
  2. Oi,Lola!
    Eu já li Terra Ardente e adorei. Janice escreve maravilhosamente bem e criou uma história fantástica. Karen é uma mocinha muito diferente daquelas que já estamos acostumados em outros romances. Todos os personagens são cativantes. A sua resenha está fantástica. Foi bom relembrar alguns detalhes dessa trama maravilhosa.
    Bjs!
    Zilda
    Cachola Literária

    ResponderExcluir
  3. Oi, Lola!

    Adorei sua resenha! Vi esse livro sendo resenhado por alguns blogs, mas nenhum me fez ficar interessado por ele. A sua conseguiu me despertar um certo interesse por ele. Quem sabe um dia eu leio?

    Um grande abraço!

    Mateus Bandeira
    Our Vices

    ResponderExcluir

Sua opinião alimenta minha criatividade, então você pode contribuir para um blog melhor simplesmente comentando :D Para dúvidas, sugestões ou bater um papo, mande e-mail para agarotadalivraria@gmail.com